medicina-reprodutiva-dr-fabio-eugenio-pre-eclampsia-fique-alerta

Você já ouviu falar em pré-eclâmpsia? A pré-eclâmpsia é uma doença que ocorre apenas durante a gravidez ou no período pós-parto, podendo deixar sequelas e causar risco de vida tanto para a mãe quanto para o bebê. A principal característica dela é a pressão arterial elevada e a presença de proteína na urina.

Os sintomas costumam se apresentar a partir da 20ª semana de gestação, ou seja, no último trimestre. Entre eles, estão o inchaço, principalmente nos membros inferiores (pernas e pés), ganho de peso repentino, dores de cabeça e no estômago, além de alterações na visão, tudo isto associado ao aumento da pressão. Porém, há casos em que o avanço é bem rápido e as mulheres apresentam poucos sintomas. Daí, mais uma vez, a importância do acompanhamento criterioso no pré-natal para o diagnóstico precoce. Quem tem diabetes, sofre de obesidade, Lúpus, teve a primeira gestação antes dos 18 anos ou depois dos 35, deve redobrar os cuidados.

A pré-eclampsia pode atingir até 10% das mulheres grávidas e é a principal causa de morte materna no Brasil. Segundo a Organização Mundial de Saúde, ela é responsável por 18% das mortes de gestantes e 80 mil nascimentos prematuros. A evolução da doença pode causar convulsão, sangramento vaginal e levar a mãe ao coma. No caso das crianças, a pré-eclâmpsia está associada à prematuridade, incidência de paralisia cerebral e retardo mental.

Já na suspeita da doença, a grávida deve procurar o ginecologista-obstetra que vem acompanhando a gestação, buscar repouso, diminuir o sal na dieta e medir a pressão arterial com frequência. Em casos mais graves, o médico poderá indicar remédios para o controle da pressão e até anticonvulsivantes para evitar a precipitação do parto.

6 Comentários para “Pré-eclâmpsia, fique alerta!”

  1. Sidney J.Silva disse:

    A informação foi bem útil…
    Precisaria saber de vossa Senhoria se a CRIANÇA nascida de parto em situação de pré-eclâmpsia c/ agravante de que seu parto foi ocorrer após quase 10 HORAS após a internação por questões administrativas entre o PLANO DE SAÚDE E O HOSPITAL e q o contrato do meu plano habilitava este procedimento.
    Minha filha hoje c/ 08 anos pode ter adquirido sequela(s) ainda não percebida ou alguma que poderá aflorar num momento futuro?
    Grato pela atenção e fico no aguardo à resposta de Vossa Senhoria.
    Sem mais e grato…
    Sidney J.Silva

  2. fabioeugenio disse:

    Oi Sidney,

    Quem tem competência para avaliar as condições de nascimento do bebê é o obstetra que fez o parto, e o neonatologista que atendeu a criança na sala de parto.

    Abs,

    Dr. Fábio Eugênio

  3. tatiana souza disse:

    Eu tive eclampsia no meu parto , e fiquei em coma por duas semanas, desde então fiquei com uma sequela o medico chama de “Ausência”, é como se tivesse um convulsão acordada, preciso de um especialista , pois faz 1 ano e 4 meses. e Nada melhora , tomo acido valproico, que não faz efeito. onde procuro ajuda?
    quem puder me ajudar agradeço.

  4. tatiana souza disse:

    Eu tive eclampsia no meu parto , e fiquei em coma por duas semanas, desde então fiquei com uma sequela o medico chama de “Ausência”, é como se tivesse um convulsão acordada, preciso de um especialista , pois faz 1 ano e 4 meses. e Nada melhora , tomo acido valproico, que não faz efeito. onde procuro ajuda?
    quem puder me ajudar agradeço.
    Tatiana

  5. fabioeugenio disse:

    Oi Tatiana,

    Consulte um bom Neurologista, que com certeza poderá ajudá-la.

    Abs,

    Dr. Fábio Eugênio

  6. Merci pour cet article

Deixe uma resposta

Mensagem