O mundo, a ciência, e em particular a Medicina Reprodutiva ficaram privados nesta quarta-feira, 10 de abril, da presença de um dos mais notáveis cientistas do século XX. Faleceu na Inglaterra o “pai” da fertilização in-vitro, Dr. Robert Edwards.

Graças ao trabalho profícuo e determinado do Dr. Robert, juntamente com outros cientistas de sua equipe, notadamente o Dr. Patrick Steptoe (falecido em decorrência de um câncer em 1988), a medicina conseguiu, em 1978, uma dos mais espetaculares feitos científicos da história: o desenvolvimento de um embrião humano, a partir da junção em laboratório do óvulo maduro colhido do ovário feminino com o espermatozóide. Este embrião foi transferido ao útero de uma mulher e deu origem a uma gravidez normal, com nascimento posterior de um bebê saudável.

A técnica foi nominada FERTILIZAÇÃO IN-VITRO (FIV), e foi um marco na medicina reprodutiva, pois permitiu oferecer possibilidade de gravidez a casais que anteriormente não poderiam conceber, como nos casos de obstrução tubária nas mulheres.

Com a evolução espetacular da técnica ao longo destes 35 anos, a FIV passou a ser utilizada nos mais variados casos de subfertilidade conjugal, e hoje, sem dúvida, é o tratamento mais efetivo da especialidade.

O reconhecimento internacional atingiu seu auge em 2010, quando o eminente professor foi laureado com o Prêmio Nobel de Medicina – homenagem mais do que merecida.

Fico pensando neste momento nos milhares de casais ao redor do mundo que tiveram a graça e a felicidade de ter um filho ajudados pelas pesquisas e estudos da equipe do Dr. Robert. Quem tem filho sabe: não há maior benção e felicidade. Esta certamente é a mais a mais nobre missão de um ser humano: constituir famílias, formar e educar um outro ser humano. Não há, portanto, como não ser grato a este notável cientista.

Para nós, médicos que lidamos no dia-a-dia com a medicina reprodutiva, sentimos a aflição dos casais, vibramos com suas vitórias, e nos emocionamos a cada beta-hcg positivo, o exemplo e a figura ímpar do Dr. Robert permanecem sempre em nossa mente, juntamente com a determinação e obstinação de proporcionar gravidezes aos casais.

Tive a felicidade de conhecê-lo pessoalmente durante o congresso da Sociedade Americana de Medicina Reprodutiva (ASRM) em 2010. (foto). Mesmo naquela época, aos 82 anos de idade, fazia questão de participar dos principais congressos da especialidade, sendo também editor de uma importante e conceituada revista na área (Reproductive Biomedicine Online).

Me chamou a atenção àquela época seu entusiasmo, o brilho vivaz dos seus olhos, e o amor verdadeiro pela ciência, que o passar dos anos não havia de maneira nenhuma apagado. Os poucos minutos que conversamos, já que obviamente ele era uma das personalidades mais requisitadas do congresso, me emocionaram profundamente, por toda história pessoal e acadêmica daquele fantástico ser humano.

Ficamos um pouco tristes e “órfãos” nesta data de sua morte. Mas seu exemplo de vida, trabalho, dedicação e amor à ciência, certamente continuarão conosco para sempre.

Obrigado por tudo, Dr. Robert Edwards. Descanse em paz.

6 Comentários para “Homenagem ao “PAI” da Fertilização in-Vitro: Robert Edwards 1925-2013”

  1. Ana disse:

    Eu sou operada 10anos tenho 35anos quero ter um filho mais ainda não consigo pelo ssu todo mês quero que minha menstruação não vem mais não adianta porque não consigo outro filho mais é tudo que eu quero

  2. fabioeugenio disse:

    Oi Ana,

    Você tem ótimas chances de nova gravidez pela fertilização in-vitro (FIV).

    Abs,

    Dr. Fábio Eugênio

  3. maria disse:

    sei para mim só um milagre pois fiz laqueadura há 14 anos no parto ceraeo da minha filha casula estou casada há 6 anos e meu marido sonha em termos um filho mas eu já estou completando 50anos esta semana.

  4. fabioeugenio disse:

    Oi Maria,

    Você pode engravidar novamente sim, pela FIV com óvulo-doação.

    Abs,

    Dr. Fábio Eugênio

  5. Muito bom o conteudo do seu site. Parabéns

  6. fabioeugenio disse:

    Obrigado!!

    Abs,

    Dr. Fábio Eugênio

Deixe uma resposta

Mensagem