Fertilização “in vitro” convencional – FIV

 

A fertilização in vitro é um processo que envolve a retirada dos óvulos do corpo da mulher, fertilizá-los dentro do laboratório de FIV, com o sêmen do seu marido e transferir os embriões resultantes para o seu útero 2 a seis dias mais tarde. O primeiro bebê de fertilização in vitro nasceu na Inglaterra em julho de 1978. Hoje, milhares de crianças nascem anualmente como resultado desta técnica. 


A fertilização in vitro pode ser usada como um tratamento efetivo para infertilidade em todos os casos com exceção daqueles casais que tem uma muito baixa contagem de espermatozóides no sêmen. É geralmente usada em casais que não conseguiram engravidar após um ano de tentativa sem sucesso e que tem um ou mais dos itens a seguir listados:


1. Bloqueio das trompas de falópio ou aderências pélvica com distorção da arquitetura da anatomia. Mulheres que fizeram ligadura das trompas; assim como homens que fizeram vasectomia.


2. Infertilidade por fator masculina severo ( baixa contagem de espermatozóides ou baixa motilidade).


3. Falha de 2 a 3 ciclos de inseminação intra uterina ou estimulação ovariana com coito programado.


4. Idade materna avançada > ou igual a 38 anos.


5. Reduzida reserva ovariana – Uma dosagem de FSH no 3o dia da menstruação e uma contagem de folículos antrais são testes de "screnning' para avaliar a quantidade e a a qualidade dos óvulos.


6. Endometriose e infertilidade sem causa aparente.


Em 1978, na Inglaterra, Dr. Roberto Edwads, médico cientista e Dr. Patrick Steptoe, médico ginecologista e obstetra, iniciaram uma colaboração histórica que culminaria com a maior descoberta médica do século: o primeiro bebê de proveta do mundo. Louise Brown, nascida em 1978.


O nascimento do primeiro bebê de fertilização in vitro em 1978 deixou o mundo surpreso. A FIV é provavelmente o procedimento de reprodução assistida mais praticado no mundo. No começo era indicado para tratar apenas casais cujas trompas da muilher eram ruins, mas depois a FIV convencional foi indicada para várias outras causa de infertlidade.


Na fertilização in vitro convencional os óvulos permanecem em uma placa de Petri com meio de cultura até o momento da inseminação com os espermatozóides, normalmente realizada quatro a seis horas após a coleta dos óvulos.


Na Clínica BIOS, realizamos a inseminação utilizando a técnica de microgotas, mais moderna e que oferece melhores resultados. Para que ocorra a fertilização, em cada microgota colocaremos um óvulo para cada 100.000 espermatozóides. Estes espermatozóides foram processados de tal forma que apenas os melhores e mais ativos entram em contato com o óvulo. Neste tipo de fertilização o espermatozóide precisa sozinho penetrar no óvulo, para isto ele precisa se ligar a uma capa que fica em torno dos óvulos que nós a partir de agora chamaremos de zona pelúcida. Após ligar se a esta capa ele penetrará no óvulo e este para impedir que outros espermatozóides também penetrem libera umas substâncias que impede a entrada de mais de um espermatozóide por óvulo.


Na Clínica BIOS, tanto na fertilização in vitro convencional quanto na ICSI- Injeção Intracitoplasmática de Espermatozóide, todas as etapas do processo são realizadas com rigorosa assepsia, no interior de um laboratório que filtra o ar e remove qualquer tipo de impureza.


Todo o ar do laboratório é tratado recebendo classificação 100, semelhante à indústria farmacêutica. A classificação de sala 100 – como é o nosso caso; implica dizer que em hum metro cúbico de ar tem menos de cem partículas; laboratórios sem este sistema de filtração do ar tem mais de cinco milhões de partículas suspensas por metro cúbico.


Antes da realização da Fertilização in vitro Convencional é necessário que o casal passe por algumas etapas:

1. Realização dos Exames Obrigatórios;

2. Estimulação da ovulação

3. Aspiração do líquido folicular

4. Checagem da presença dos óvulos no líquido folicular

5. Denudação dos óvulos

6. Período de maturação dos óvulos