Uma reportagem publicada na BBC News informa que no final do ano de 2014 deverá estar regulamentado na Grã-Bretanha o tratamento de reprodução assistida que permite geração de bebês a partir de um espermatozoide e a combinação de dois óvulos de mulheres diferentes – ou seja, três materiais biológicos (“três pais”).

Mas o que significa esta técnica, e quais os benefícios e riscos associados? É o que vamos explicar para vocês neste post.

O principal objetivo desta técnica de reprodução assistida é evitar o nascimento de crianças com doenças genéticas graves e extremamente debilitantes, que são as doenças ligadas à mitocôndria.

A MITOCÔNDRIA

Lembrando um pouco da biologia, a mitocôndria é uma organela celular, ou seja, um pequeno órgão dentro de cada célula do organismo, que é responsável pelo mecanismo de respiração celular e produção de energia. É vital para a sobrevivência de qualquer célula.

A mitocôndria possui uma pequena quantidade de DNA (material genético) no seu interior. Na reprodução humana ocorre um fenômeno interessante. O óvulo contém importante quantidade de mitocôndrias em seu citoplasma, e que são incorporadas ao embrião, e, portanto o DNA ali presente é herdado pelos filhos daquela mulher. Os espermatozoides por sua vez contêm muitas mitocôndrias em sua cauda (pois a energia produzida ajuda na locomoção). Porém, no momento da fertilização, apenas a cabeça do espermatozóide (que contém o DNA paterno) penetra no óvulo; a cauda, não. Desta maneira as mitocôndrias paternas, e também o seu DNA, não são incorporados ao embrião e não são herdados.

Em outras palavras, o DNA mitocondrial que possuímos é herança exclusiva de nossa mãe.

O problema é que existem doenças ligadas às mitocôndrias, por alterações nos genes que ali estão. Apesar de raras, atingindo cerca de uma em cada sete mil crianças, estas doenças mitocondriais podem causar vários problemas degenerativos graves nos bebês afetados, levando a alterações cerebrais, incapacidade muscular, cegueira, insuficiência cardíaca, e até mesmo a morte.

COMO EVITAR AS DOENÇAS DE HERANÇA MITOCONDRIAL

Para evitar a transmissão destas doenças, é possível utilizar na fertilização in-vitro (FIV) um óvulo extra de uma mulher normal, para proporcionar à criança uma mitocôndria saudável. Neste caso a técnica funciona assim:

Retiramos o núcleo do óvulo desta doadora, deixando o seu citoplasma (que contém as mitocôndrias saudáveis). Inserimos neste óvulo o núcleo, com todo material genético e DNA nuclear, da mãe que está fazendo a FIV, e que é portadora de doença mitocondrial. Este novo óvulo, híbrido, com núcleo da futura mamãe e citoplasma (com mitocôndrias saudáveis) da doadora, é fertilizado com o espermatozoide do futuro papai.

O embrião formado então será completamente normal do ponto de vista genético. Porém, ele terá DNA provindo de três pessoas: o núcleo do espermatozoide com a informação genética do pai; o núcleo do óvulo com a informação genética da mãe; e mais uma pequena quantidade de DNA mitocondrial da doadora do óvulo com citoplasma.

A técnica cria controvérsias, portanto, porque é a primeira vez em que se autoriza, na espécie humana, a modificação do genoma que pode ser herdado, e o nascimento de crianças com material genético provindo de “três pais”.

Por outro lado, a técnica permite o nascimento de bebês completamente saudáveis de mulheres que tenham alterações no seu DNA mitocondrial, e que teriam alto risco de geração espontânea de bebês com doenças genéticas hereditárias gravíssimas e incuráveis.

Como em todo procedimento novo em reprodução assistida, surgem muitas dúvidas, muito entusiasmo, e também muitas críticas. Vamos esperar os resultados iniciais de avaliação de viabilidade da técnica, torcendo sempre para que o objetivo primordial da medicina reprodutiva, que é o respeito absoluto à segurança do casal e à saúde do bebê a ser gerado, norteie todos estes experimentos.

Esperamos que tenham tido uma ótima leitura. Bom feriado de carnaval! Até o próximo post!

25 Comentários para “Controvérsia: geração de bebês com “três pais””

  1. Alessandra disse:

    Boa tarde . Gostaria de saber se posso reverte a laqueadura fis tem 6 meses agora me casei de novo meu marido pedi todo dia um filho pois ele nao tem preciso de sua ajuda

    Obrigado pela atencao

  2. fabioeugenio disse:

    Oi Alessandra,

    Através de exames pode-se determinar se há boas chances de reverter sua laqueadura.

    Abs,

    Dr. Fábio Eugênio

  3. Anne disse:

    Gostaria de saber se é possível e ético segundo o conselho nacional de medicina fazer inseminação com ovulos de duas pessoas e o material genético de um mesmo doador com o intuito de ser considerado filho das duas mães no caso de casais homoafetivos.

  4. fabioeugenio disse:

    Oi Anne,

    Não existe tecnologia para juntar óvulos de duas mulheres em um só!!

    Abs,

    Dr. Fábio Eugênio

  5. Anne disse:

    Não é em um so e sim se permitem colocar ovulos de duas pessoas e deixar “a sorte” agir.

  6. fabioeugenio disse:

    Oi Anne,

    Não há impedimento em você receber no útero embriões formados do óvulo de outra mulher (doação), além dos seus próprios.

    Abs,

    Dr. Fábio Eugênio

  7. Kassiane disse:

    A criança com material genético de três pais, vai fazer ela ser filho das duas mulheres no caso se forem ou não homossexuais? Além de ser filho do doador?

  8. fabioeugenio disse:

    Oi Kassiane,

    O material genético de uma doadora estará apenas nas mitocôndrias, conforme explicado no post.

    Abs,

    Dr. Fábio Eugênio

  9. Aléxcia Basílio disse:

    Dr. Fábio, aqui no Brasil já existe essa técnica? Sou professora e meus alunos questionaram… Agradeço a atenção

  10. fabioeugenio disse:

    Oi Alexcia,

    Ainda não é realizada no Brasil.

    Abs,

    Dr. Fábio Eugênio

  11. Thaly disse:

    Sei que a tecnica não é realizada aqui no Brasil, mas gostaria de saber se tem como analizar a quantidade de materia genetico existente no embrião
    ex: 50% vem do pai e o mesmo vem da mãe no caso este bebe ira ter tres materias geneticos tem como saber em porcentagem isso?

  12. fabioeugenio disse:

    Oi Thaly,

    Não há tecnologia ainda para identificar.

    Abs,

    Dr. Fábio Eugênio

  13. Vini disse:

    Dr. Fábio, é possível que na gravidez possa ser incluído o DNA de dois homens no feto? No caso de pais homens homossexuais que desejam ter um filho que tenha DNA de ambos os pais.

  14. fabioeugenio disse:

    Oi Vinícius,

    Não. Á luz da ciência atual, é impossível.

    Abs,

    Dr. Fábio Eugênio

  15. Nayara disse:

    É possível também retirar o dna mitocondrial da doadora e a criança nascer sem esse dna mitocondrial?? Ou é impossível?

  16. fabioeugenio disse:

    Oi Nayara,

    À luz da ciência atual, e biologicamente falando, é impossível.

    Abs,

    Dr. Fábio Eugênio

  17. Dayanne ferreira disse:

    E possível usar essa técnica para casais homoafetivos? No meu caso
    Sonho em ser mãe, e gostaria que meu bebe tivesse DNA também da minha parceira.

  18. fabioeugenio disse:

    Oi Dayanne,

    É uma técnica ainda experimental, e exclusivamente para casos de doenças graves mitocondriais.

    Abs,

    Dr. Fábio Eugênio

  19. Clayton disse:

    As mitocondrias de recém nascido são da mãe biológica ou da mãe barria de aluguel ou das duas?

  20. fabioeugenio disse:

    Oi Clayton,

    São da mãe biológica (óvulo).

    Abs,

    Dr. Fábio Eugênio

  21. Maria Clara disse:

    Boa tarde! Já existem notícias do nascimento de bebes usando essa técnica, mesmo assim ainda não existe previsão para chegar ao Brasil? E o custo dessa técnica lá fora, vocês saberiam estimar?

  22. fabioeugenio disse:

    Oi Maria Clara,

    Não conheço estimativa de custo.

    Abs,

    Dr. Fábio Eugênio

  23. Denis disse:

    Bom dia,

    Fugindo um pouco do assunto, mas com algumas semelhança, ouvi falar em uma nova técnica em que o DNA de um feto é retirado e usado para fertilizar um óvulo, fazendo com que a mulher gere um bebê que possua as características do pai que gerou o feto do qual este DNA foi retirado.
    Achei a história com poucas chances de ser verdadeira. É possível?

    Abs

  24. Denis disse:

    Bom dia,

    É possível fertilizar um óvulo a partir do DNA de um feto, sem a presença de um espermatozóide? Se for possível, este novo bebê teria as característica do pai que gerou o feto doador de DNA?

    Abs

  25. fabioeugenio disse:

    Oi Denis,

    Esta técnica é conhecida como Clonagem !!

    É realizada com sucesso em vegetais e seres unicelulares. Mas em animais superiores ou o homem esta técnica ainda é experimental e envolta em conflitos éticos.

    Abs,

    Dr. Fábio Eugênio

Deixe uma resposta

Mensagem